O relâmpago prejudica o xadrez?

Artigo escrito pelo MI Mauro de Souza

A FIDE considera xadrez relâmpago ou “blitz” qualquer partida que se joga com menos de 10 minutos no relógio para cada jogador. O campeonato mundial de xadrez relâmpago é disputado no ritmo 3/2 (3 minutos iniciais com 2 segundos de acréscimo por lance jogado), modalidade bastante popular em todo o mundo

É verdade que o relâmpago estraga o xadrez? No passado acreditava-se que sim. O respeitado Mikhail Botvinnik condenava a modalidade e criticou até seu maior discípulo, Garry Kasparov, quando este passou a disputar e apoiar os torneios da modalidade. Nos dias atuais soa até ridículo um treinador sugerir aos seus alunos que não joguem relâmpago quando os melhores da atualidade (Carlsen, So, Caruana, Nakamura etc…) praticam a modalidade sem que isto piore sua atuação no ritmo clássico. Na sequência analisaremos uma partida relâmpago de 2 ex-campeões mundiais que, segundo dizem, eram fortíssimos em xadrez relâmpago. Foi disputada na ex-Iugoslávia e reuniu os melhores jogadores de blitz do mundo na época.

Como se vê a jogada 36 do Petrosian é uma “capivarada” que ele não cometeria no ritmo clássico. A melhor maneira de evoluir jogando relâmpago é, finalizada cada partida, analisá-la, pesquisar a abertura e tentar indentificar cada padrão estratégico e tático. É melhor do que apenas jogar uma partida atrás da outra sem tentar aprender nada. Aqui me despeço; vou jogar umas partidas relâmpago no Chess.com.

O relâmpago prejudica o xadrez?