Você tem vontade de se dedicar mais seriamente ao xadrez? Não importa se a sua intenção é treinar de maneira eficiente com o objetivo de conseguir bons resultados em torneios, ou apenas superar seus colegas no clube ou na escola. Um dos primeiros passos para você conseguir seu objetivo é encontrar um bom professor.

O Clube de Xadrez São Paulo ganhou fama ao longo das décadas não apenas por oferecer um espaço dedicado ao convívio dos amantes do xadrez na cidade, mas também por ser frequentado por alguns dos melhores jogadores nacionais (e também muitos estrangeiros), dos quais alguns também se dedicam ao treinamento de enxadristas de todos os níveis.

Já pensou em ter aulas com um mestre? O mestre internacional Mauro de Souza, frequentador regular do clube, é professor de xadrez profissional com mais de 30 anos de experiência. Para os interessados, o Mauro dá aulas para jogadores iniciantes e também para quem já tem experiência e quer trabalhar sobre pontos específicos do seu jogo, como estratégia de finais, preparação de repertório etc.

O MI Mauro de Souza também está formando uma turma de alunos para o período da tarde, essa turma será direcionada para crianças e jovens que estão iniciando no aprendizado do xadrez, interessados devem ligar para o MI Mauro para acertar os detalhes, segue abaixo o contato do MI Mauro de Souza.

MI Mauro de Souza

e-mail: maurosouzaxadrez@hotmail.com 

Tel. (11) 3101-4161

Veja aqui seis motivos pelos quais ter um professor é um ótimo negócio para um jogador de xadrez:

1 – O custo de uma aula de xadrez é relativamente baixo em relação ao conteúdo apresentado;

Aulas de xadrez custam em média muito menos do que uma aula em outros esportes, principalmente quando se tem em mente o custo benefício em relação ao que se está aprendendo. Comparado a uma aula de tênis, por exemplo, em que se treina basicamente a repetição de certos movimentos em todos os encontros, no xadrez o aluno tem a possibilidade de adquirir conceitos novos constantemente.

2 – Na história moderna do xadrez, até mesmo os jogadores top contratam treinadores;

O fato de que mesmo enxadristas fortíssimos como os campeões mundiais Garry Kasparov e Mikhail Tal tiveram o acompanhamento de treinadores ao longo de toda a sua vida é um dos melhores atestados da importância desse profissional na carreira enxadrística de um jogador. Se Magnus Carlsen acha importante ter um treinador até hoje, por que pensar o contrário?

3 – Ter um horário fixo para estudar te obriga a ter disciplina;

Disciplina nos estudos é uma das qualidades essenciais quando se quer evoluir em qualquer área. Quando se tem o compromisso das aulas com um professor, um jogador sério se sente melhor motivado a estudar para continuar evoluindo.

4 – Para conseguir bons resultados em competições, o enxadrista necessita ter um padrão de jogo;

Um dos erros mais comuns de quem estuda sozinho é perder um tempo valioso tentando copiar as linhas de jogo da moda usadas por jogares de elite sem antes compreender mais a fundo se elas são a melhor opção para seu próprio estilo de jogo. Com a orientação de um professor atento, o aluno pode aprender mais facilmente a “reconhecer” seu estilo, escolhendo assim seu repertório de aberturas de maneira mais consciente e, consequentemente, com mais eficiência.

5 – Além de um padrão para jogar, é necessário ter um padrão para treinar;

O que estudar mais: abertura, meio-jogo, finais? Quais linhas de cada abertura merecem mais atenção? Quais finais são mais comuns na prática? Como tornar o treino o mais eficiente possível em relação à disponibilidade de cada aluno? Um professor profissional é a melhor pessoa para lhe dar uma orientação realista nesse assunto.

6 – Um bom professor de xadrez possui a vantagem de ter também uma imensa bagagem prática de jogo;

Esse é talvez o fator mais importante que distingue o aprendizado com um professor daquele feito sozinho a partir de livros ou na internet. Os livros apresentam ensinamentos “fixos”, sem que o aluno tenha a chance de participar ativamente do aprendizado colocando suas próprias perguntas. Com um conhecimento adquirido ao longo de centenas de horas de estudo e de prática em torneios, o professor representa para o aluno uma fonte de conhecimento prático e “interativo” sobre questões que, de outra maneira, ele levaria um tempo imenso para, sozinho, tentar compreendê-las.